BLOG DO GUSMÃO

Menu

Siga-nos

UMA PONTE QUE NAO É APENAS UMA PONTE

daniel2Por Daniel Thame.

Ainda está para ser devidamente mensurada a importância da ponte sobre o Rio de Contas, inaugurada pelo governador Jaques Wagner, que liga Camamu a Itacaré.

Não se trata, obviamente, de uma ponte que liga apenas duas cidades do litoral baiano, ainda que Itacaré seja atualmente um dos principais destinos turísticos do Nordeste.

Trata-se, isso sim, uma obra que interliga, via ferryboat, Salvador e região metropolitana ao Baixo Sul e ao Sul da Bahia, encurtando distâncias e evitando o tráfego pesado e perigoso da rodovia BR 101 e na quase sempre congestionada rodovia Salvador-Feira de Santana.

A ponte é o elo de ligação que une e integra uma faixa considerável do litoral baiano, numa estrada que é cenário de uma natureza exuberante, em meio a rios, cachoeiras, mata atlântica e uma biodiversidade espetacular. Não por acaso, a rodovia BA 001 recebeu o nome de “Estrada Ecológica”.

PICT6375A obra não terá impactos positivos apenas no turismo, que já se fazem sentir no aumento do fluxo de pessoas em Itacaré, Camamu e nas praias ilheenses, mas também na atração e consolidação de outros investimentos, que virão na esteira de projetos importantes como o Porto Sul, a Ferrovia Oeste-Leste, a Zona de Processamento de Exportações, o novo aeroporto de Ilhéus e ainda o Gasoduto da Petrobrás, este um pouco mais distante da faixa litorânea.

São equipamentos capazes de dar um novo impulso a uma economia que sempre dependeu do cacau, que se fragilizou após a chegada da vassoura-de-bruxa e que tem a oportunidade de ganhar um novo impulso, gerando um duradouro ciclo de desenvolvimento sustentável.

Sem correr o risco do exagero, pode-se afirmar que esses investimentos deverão provocar, no Sul da Bahia, o mesmo impacto econômico gerado pela implantação do Pólo Petroquímico de Camaçari, há quarenta anos.

A ponte é, portanto, o símbolo de um novo tempo, que deixou a categoria de promessa, das quais estamos cansados, e já está começando.

O desafio -e ele precisa ser encarado- é justamente proporcionar o desenvolvimento sustentável, de maneira que a atividade econômica geradora de emprego, renda e qualidade de vida, esteja diretamente associada à conservação ambiental.

Tão necessários quanto o porto, o aeroporto, a ferrovia e os empreendimentos complementares será a preservação da natureza, através da adoção de um modelo que não infira danos ao meio ambiente, uma equação que não é de todo impossível, muito pelo contrário.

É possível, sim, fazer do Sul da Bahia uma região de economia forte e dinâmica e ao mesmo tempo conservar para as gerações futuras um patrimônio ambiental que é uma verdadeira dádiva na Mãe Natureza.

Em vez de um abismo entre desenvolvimentistas e ambientalistas, é preciso que entre eles haja uma ponte que atende pelo nome de diálogo.

O caminho está traçado.

E será menos tortuoso e atribulado se quem está junto nessa estrada compreender que o objetivo é (ou deveria ser) o mesmo: uma vida melhor para os milhões de sulbaianos desejosos de atravessar essa ponte que separa a crise e a miséria do desenvolvimento e da possibilidade de uma vida melhor.

WhatsApp
Facebook
Twitter
Email
Print

Uma resposta

  1. Enquanto isso o trecho da BA-001 entre Prado a Porto Seguro,que esta o berço do Brasil com a prais de Cumuruxatiba e Barra do Cahy,marco Zero do descobrimento,continua la“ Graças a Deus“,do mesmo jeito que Cabral encontrou.
    Paraiso existe!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Newsletter

Fique Informado

Assine a newsletter e receba as notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.
É rápido. É fácil. É de graça.

Siga-nos
Mais lidas
novembro 2009
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30