BLOG DO GUSMÃO

Menu

Siga-nos

VAI-SE UM MESTRE

Boris Schnaiderman  (Foto: Fernando Donasci / Agência O Globo)
Boris Schnaiderman (Foto: Fernando Donasci / Agência O Globo)

antonio riserioPor Antonio Riserio/publicado nessa segunda-feira, 23, no Blog do Noblat.

Enquanto figuretas culturalmente insignificantes, de Renan Calheiros a coletivos estudantis, berram sobre a suposta importância de um Ministério da Cultura no Brasil, perdemos alguém que de fato contava – e muito – no deserto intelectual que nos cerca.

Quem conhece o assunto, sabe. É simplesmente impossível falar de Rússia e cultura russa entre nós, impossível falar da presença e do influxo dos russos no Brasil, sem colocar em primeiríssimo lugar o nome de Boris Schnaiderman.

Boris foi um mestre, ensinando-nos a andar pelo mundo da cultura russa moderna. Pelos campos do fazer textual criativo e das viagens pioneiras de artistas e intelectuais russos na dimensão das metalinguagens.

No caso da poesia, juntamente com os irmãos Campos, traduziu para o português criações do mel do melhor feito em língua russa. Pasternak, Iessiênin, Maiakóvski, Khlébnikov, etc., chegando a Vozniessiênski. Fez um livro que é um exemplo simultâneo de erudição e humildade, coisa raríssima: um livro feito de notas aos textos traduzidos – “A Poética de Maiakóvski”.

E não foi só a vanguarda. Boris nos ensinou também a apreciar o verdadeiro Dostoiévski, que, antes de suas traduções, conhecíamos mal e indiretamente, em versões feitas a partir de versões francesas, que sempre disfarçavam em “littérature” o brutalismo do autor de “Os Irmãos Karamázov”.

Trouxe também para o mundo de língua portuguesa, pioneiramente, textos críticos e teóricos de ponta, com o jovem Jakobson e a chamada Escola Formalista (Chklóvski, Eikhenbaum, Tiniânov, etc.). Para nos remeter, adiante, aos estudos extraordinários de Iuri Lotman e seus companheiros semioticistas.

A tristeza é que morre um homem como Boris (como, antes, Décio Pignatari) e a nossa (vossa) mídia não diz nada. Estamos condenados aqui ao narcisismo corporativista. Basta o sujeito ser profissional da mídia que, ao morrer, ela o transforma em super-herói cultural do país. Nem que o cara seja um mero fotógrafo de telenovela, cantor ou autor de reportagens televisuais.

Me lembro de uma conversa com Augusto de Campos, na São Paulo da década de 1970, quando fiz uma provocação geral, dizendo: pelo andar da carruagem, ainda vamos ter uma enciclopédia brasileira de cultura que dedique menos de 10 linhas a Guimarães Rosa e mais de 100 linhas a Erasmo Carlos. Infelizmente, eu estava certo. Esse tempo chegou. E é bem mais feio do que o pintei. De qualquer sorte, deixo aqui, gritando sobre as cabeças-de-camarão dos imbecis, o meu VIVA BORIS!

Antônio Risério é escritor, autor de, entre outros, “A Utopia Brasileira e os Movimentos Negros” (2007), “A Cidade no Brasil” (2012) e do romance “Que Você É Esse?” (a ser lançado em junho pela editora Record).

WhatsApp
Facebook
Twitter
Email
Print

Uma resposta

  1. Fez um livro que é um exemplo simultâneo de erudição e humildade, coisa raríssima: um livro feito de notas aos textos traduzidos – “A Poética de Maiakóvski”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Newsletter

Fique Informado

Assine a newsletter e receba as notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.
É rápido. É fácil. É de graça.

Siga-nos
Mais lidas
maio 2016
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031