BLOG DO GUSMÃO

Menu

Siga-nos

RIO DO BRAÇO É DESTAQUE EM MATÉRIA DA “FOLHA”

Igreja na vila do Rio do Braço.

Matéria da Folha de São Paulo contou um pouco da história do Rio do Braço, distrito de Ilhéus. O local já foi palco da novela Renascer (1993) da Rede Globo e um importante ponto de escoamento do cacau.

O empreendedor Lucas Kruschewsky toca um projeto de resgate da vila rural. “Não podia deixar essa história toda se perder. Comecei cortando o mato. Depois retirei as telhas da estação, lavei no rio uma por uma e recoloquei”, contou à reportagem da Folha.

Também falou sobre as dificuldades para reativar a vila. “Algumas pessoas passavam e riam. Tinha gente que apostava contra. Mas muito do que consegui foi com apoio dos vizinhos. Fazia um almoço, juntava as pessoas e colocávamos uma parede de pé”, completou.

A estação foi aberta em 1911. Já na década de 1950, a operação da ferrovia foi repassada dos ingleses para o Estado da Bahia. Com problemas estruturais, o ramal foi fechado dez anos depois. Em 1980, a produção de cacau na Bahia foi gravemente afetada pela vassoura-de-bruxa, que dizimou as plantações. A sequência de problemas regionais influenciou na evasão dos moradores de Rio do Braço.

Lucas retornou a Rio do Braço em 2010, a pedido de seu pai, Fernando. Começou a recuperar a propriedade da família e aos poucos estendeu o trabalho à vila abandonada.

Até o momento, foram reformados os galpões da estação, que funciona como restaurante e espaço de eventos. Em junho de 2017, a festa de São João da durou dez dias e atraiu 10 mil pessoas, informa Lucas.

O dinheiro arrecadado ajuda a custear as restaurações. A igreja local é o segundo prédio a passar por reformas. “Em novembro, se não chover muito, devemos acabar de consertar o telhado e a sacristia”, afirmou.

Lucas mencionou as dificuldades para restaurar o local e a falta de dinheiro para progredir nas reformas, cujos custos, segundo ele, chegam R$ 1,2 milhão para recuperar todos os 14 prédios da vila. “A gente não tem verba pública, nem empresários toparam ajudar”.

WhatsApp
Facebook
Twitter
Email
Print

Uma resposta

  1. Acabei de ir neste local (07/01/2018 – 13:00) e voltei sem ter visto nada de mais, muito pelo contrário. Nenhuma estrutura de turismo e nem básica.
    Estrada de chão batido, cheia de buracos e duas pinguelas pouco confiáveis.
    Fazenda e restaurante fechados.
    Não há acesso fácil ao rio para banho.
    “Programa de índio”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Newsletter

Fique Informado

Assine a newsletter e receba as notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.
É rápido. É fácil. É de graça.

Siga-nos
Mais lidas
novembro 2017
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930