BLOG DO GUSMÃO

Menu

Siga-nos

MANIFESTAÇÕES DE 29/09: MUITO ALÉM DE BOLSONARO

 Por Julio Gomes.

As manifestações das mulheres contra o candidato a Presidente Jair Bolsonaro, convocadas pelas mídias sociais e que aconteceram no dia 29 de setembro se constituíram em um fenômeno político e sociológico sem precedentes na história do Brasil, por diversas razões.

A forma original e extremamente eficaz como surgiu e organizou as manifestações é o primeiro aspecto a ser ressaltado. Vindas de um grupo de mulheres criado no Facebook há menos de um mês e que hoje alcança mais de 3 milhões de membros, é como se tivesse surgido a partir do nada e, ao mesmo tempo, como se sempre tivesse existido!

A diversidade e o tamanho das manifestações, sobretudo se compreendidos em relação ao pouquíssimo tempo e à quase nenhuma estrutura utilizada nas convocações e nos próprios atos, também são mais do que surpreendentes. E não adiantou a Rede Globo, em seu parcial e tendencioso Jornal Nacional, tentar mostrar imagens de manifestações ocorridas no mesmo dia 29, a favor de Bolsonaro, pois o número de participantes das manifestações contrárias, que segundo estimativas reuniram em torno de um milhão de pessoas em todo o Brasil, foi esmagadoramente superior àqueles presentes em eventos a favor dele.

Manifestação do movimento #Elenão no Largo da Batata em SP.

Entretanto, o que nos parece mais importante ressaltar, neste momento, é que o ato contra Bolsonaro na verdade não foi propriamente contra ele, e nem mesmo contra sua candidatura: Foi uma reação legítima popular contra a tempestade de grosserias, violências, discriminações e agressões que vitimaram milhões de brasileiros e brasileiras ao longo dos últimos meses.

Primeiro porque a sexualidade das pessoas é, em regra, uma questão única e exclusivamente delas. Não cabe ao Estado, nem ao patrão, nem às igrejas, nem a partidos ou grupos ideológicos cercear opções que são eminentemente privadas, e menos ainda agredir e segregar pessoas em função de tais escolhas.

Além disso, a agressividade que permeia a campanha de Bolsonaro constrange de fato: São dedos apontados em forma de armas, hoje supostamente contra os “bandidos”, mas que se chegarem ao poder estarão mirando contra qualquer um que venha a discordar deles; são elogios desumanos à tortura, a ferir como uma bofetada a cada pessoa civilizada; são posicionamentos que magoam profundamente a quem é pobre, negro, favelado, excluído, mulher, homossexual ou de qualquer orientação política ou social que não esteja de acordo com aquilo que os seguidores de Bolsonaro defendem como verdade absoluta e inquestionável.

Como se sente a mãe de um jovem da periferia ante as ameaças aos seus filhos? Como se sente um homossexual, obrigado a esconder e negar diuturnamente suas opções de vida? Como se sente alguém que seja esquerdista, progressista ou simplesmente democrata, ante a defesa da ditadura e da tortura como meio de ação política? Como se sente o negro que ouviu dizer que alguém como ele deve pesar umas sete arrobas?

Como se sente a mulher a quem foi dito que deve ganhar menos, mesmo assumindo responsabilidades e produzindo tanto quanto um homem? Como se sentem aqueles que acreditam, verdadeiramente, que somos irmãos em Cristo, ante tanta agressividade e violência com o objetivo de excluir e degradar aos nossos irmãos em condição social mais frágil?

Não, não foi contra Bolsonaro. Foi contra tudo aquilo que sua candidatura representa, e que a maioria da sociedade brasileira e do mundo desenvolvido repudia, por ser incompatível com o sentimento de respeito, de inclusão e de paz social que deverá nortear o futuro da humanidade.

Link para vídeo.

Julio Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC. E-mail: [email protected] .

WhatsApp
Facebook
Twitter
Email
Print

3 respostas

  1. Acho que não foi e não será um fenômeno como a matéria dita, não sei da veracidade desta foto, mas na realidade esse movimento contra o Nosso próximo presidente da republica começou a partir de artistas da pior das emissoras de televisão que um país possa ter a Rede Globo, esses artistas vivem de subsídios do governo através da lei rouanet, e estão desesperados pois sabem que é uma das pauta de Bolsonaro é fazer com que essa lei se cumpra verdadeiramente com o objetivo para qual ela foi criada, diferente do que vem acontecendo, muitos desses artistas se aproveitaram disso para enriquecerem ilicitamente, por verem essa verba ameaçada muitos deles aderiram a esse movimento que não vai dar em nada se comparando a proporção da quantidade de votos que o Bolsonaro vai ter ter em todas as regiões do Brasil. Enfim Bolsonaro eleito em 1º turno.

  2. ESSE É MAIS UM DESLUMBRADO PELAS FALCATRUAS DO PT. ELE ESQUECEU FÁCIL DO ASSALTO AOS COFRES PUBLICOS. OU ENTÃO, E É O MAIS LÓGICO, TAMBÉM É A FAVOR DA ROUBALHEIRA.

  3. Texto vazio, desprovido de fundamentação lógica e conhecimento das causas levantadas. A referência ao Jornal Nacional, que não nutro qualquer simpatia, não faz sentido vez que o mesmo tem se mostrado imparcial na divulgação do processo eleitoral. Não torço por Bolsonaro, tampouco concordo com muitas das suas posições que enxergo como estapafúrdias e sem o menor sentido de serem efetivadas. Por outro lado sou contra com situação que possa sugerir a volta do PT ao poder diante do óbvio ululante de conhecimento de toda a nação brasileira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Newsletter

Fique Informado

Assine a newsletter e receba as notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.
É rápido. É fácil. É de graça.

Siga-nos
Mais lidas
outubro 2018
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031