Câmara de Vereadores de Ilhéus debate políticas públicas para capoeira na próxima segunda-feira (02)

Vereador Cláudio Magalhães.

Na próxima segunda-feira, dia 02, às 16 horas, a Câmara de Vereadores de Ilhéus realizará uma sessão especial para debater ações afirmativas e políticas públicas para a capoeira no município. A proposta para esse diálogo foi apresentada, por meio de um requerimento aprovado, pelo vereador Cláudio Magalhães (PCdoB) e tem como um dos temas específicos: as justiças e as injustiças para os mestres da capoeira na cidade.

A atividade também ocorre em referência a 03 de agosto, data de comemoração ao Dia da Capoeira. Cláudio Magalhães justifica que esse debate ocorre um dia antes na casa legislativa, por terça-feira acontecer sessão ordinária. “Respeitando a orientação do presidente da câmara, Jerbson Moraes, antecipamos a discussão para a segunda-feira, dia que não há sessão ordinária”, disse.

O vereador indicou que pretende abordar, entre outras tratativas, um projeto já aprovado no legislativo ilheense, que propõe a promoção da capoeira na integração entre a comunidades e as escolas, através de estudos e pesquisas de atividades interdisciplinares. “Além disso, estou propondo que a gente construa uma possibilidade de efetivar a lei Moa do Katendê, aprovada na Bahia, de autoria da deputada estadual Olívia Santana (PCdoB), que apoia a formação de capoeiristas e a incorpora no currículo escolar. Além aprofundar essa pauta, precisamos adequá-la às realidades locais e melhorar os pontos que os capoeiristas baianos não ficaram de acordo”, destacou.

“Esta também é uma forma de fazer justiça aos nossos mestres. A capoeira ela contribui, muitas vezes, com um trabalho voluntário tirando jovens das garras da marginalidade e do tráfico. É uma atividade cultural e esportiva importantíssima que traz um sentimento de pertencimento daqueles que estão nas periferias da cidade, é a representatividade relevante para negros e pardos que constituem cerca de 70% da população ilheense”, avaliou Cláudio Magalhães.

Receptivo turístico

Cláudio Magalhães entende que os mestres e seus capoeiristas também são ‘embaixadores’ de Ilhéus. “São eles que recebem turistas nos receptivos dos hotéis, dos navios, que fazem suas apresentações no Centro da cidade e embelezam a nossa cidade com a cultura pungente. Então nessa sessão trago a reflexão e uma provocação para todo esse debate”, concluiu.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *