Prefeitura de Itabuna parou de jogar baronesas no Cachoeira; exigir dos itabunenses neste momento é insensibilidade

Na manhã desta segunda-feira (27), um vídeo que circula nas redes sociais gerou reclamações de internautas ilheenses.

Nas imagens, é possível ver maquinas da Prefeitura de Itabuna retirando baronesas acumuladas na Avenida Beira Rio e jogando no Rio Cachoeira. Seguindo o curso do rio, o material vai parar nas praias de Ilhéus.

Para buscar esclarecimentos sobre a situação, o BG entrou em contato com o secretário infraestrutura e urbanismo de Itabuna, Almir Melo Jr.

De acordo com o secretário, o descarte registrado foi inicial e provisório. Almir explicou que, com a interdição da BR-415, o acesso ao aterro sanitário da CRV não é possível. “Não estamos conseguindo descartar nem o lixo orgânico”, afirmou. A situação é de calamidade pública.

O secretário garantiu que as maquinas já pararam de jogar as baronesas no rio, e que agora, a vegetação está sendo guardada temporariamente em um depósito.

Comentário do blog.

Nas últimas horas, as chuvas volumosas e os consequentes prejuízos para o povo de Itabuna e do sul da Bahia ganharam repercussão nacional, gerando com isso grande esforço das autoridades e também movimentos solidários de instituições não governamentais.

O sofrimento e os desafios são inúmeros. Exigir de Itabuna neste momento, acreditamos, é pura insensibilidade.



3 responses to “Prefeitura de Itabuna parou de jogar baronesas no Cachoeira; exigir dos itabunenses neste momento é insensibilidade

  1. Não vejo nada de falta de sensibilidade nisso. O povo de Ilhéus está solidário ao de Itabuna prova está no esforço em ajudar. Pedir para que o serviço de retirada das baronesas seja feito sem prejudicar a cidade vizinha é apenas exigir que se faça o certo. Quando as praias de Ilhéus estão tomadas de baronesa ninguém oferece ajuda então nós poupe desses comentários sem noção.

  2. Prezado, boa noite. Me permita discordar da opinião emitida pelo blog dado aos seguintes motivos:

    (1) dado ao volume de chuvas, a montante da bacia hidrográfica, o Rio Cachoeira trouxe consigo no processo de carreamento, não só vegetação, mas outros materiais considerados como “lixo”. O Rio possui uma série de rochas ao longo de seu curso que o transforma em verdadeira armadilha para estes objetos. Vale lembrar que na ausência de políticas efetivas de recuperação/conservação da bacia hidrográfica e do próprio cachoeira em seu curso citadino em Itabuna, esse lixo acumulado acentuará um problema de qualidade ambiental do mesmo; sabemos os efeitos do descarte em local inapropriado…

    (2) a cobrança por uma medida racional quanto ao lixo não está sendo feita à população itabunense, tão sofrida com as enchentes, mas ao poder público administrativo municipal.. que nesse interim precisa lançar mão de medidas efetivas e condizentes a racionalidade que se espera dos gestores. Apesar dos pesares, espera-se que nas horas de dificuldade, os gestores, desde que bem acessorados, possam tomar decisões acertivas. A calamidade pública não pode retroalimentar agravantes socioambientais.

    Dito isso, espero ter colaborado para o entendimento que “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.

    Atenciosamente..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *