Ex-secretário de turismo contesta decreto estadual que diminui público em eventos: “É tudo chute”

Alcides Kruschewsky.

Em contato com o BG, o ex-vereador e ex-secretário de turismo de Ilhéus, Alcides Kruschewsky, criticou a publicação de mais um decreto do governo estadual que limita a quantidade de pessoas em eventos públicos na Bahia. Atualmente, Alcides é empresário do ramo de alimentação, sócio proprietário do Maneros Pub Burguer, na zona sul da cidade.

Alcides é enfático ao afirmar que esse tipo de decreto não tem eficácia. “Quando os eventos não estavam autorizados, o vírus já estava se disseminando. Mil e quinhetas pessoas num evento é muita gente. Ninguém vai para evento ficar isolado, sozinho”, contesta.

O empresário acredita que o decreto estadual é ineficiente para reduzir o número de pessoas infectadas e acaba prejudicando os envolvidos na produção dos eventos.

“Ninguém organiza um evento da noite para o dia. E o dinheiro investido? Como fica uma situação dessas? Estão brincando com as pessoas”, acusa. “Não é uma defesa dos eventos. É uma necessidade de sabermos como vamos agir em relação a isso”, explica, acrescentando que: “estão perdidos [governo do estado], assim como nós. É tudo chute”.

Ainda de acordo com Alcides, impor que bares e restaurantes exijam cartão de vacinação dos clientes “não faz diferença”.  “Mesmo vacinado, se estiver infectado [o cliente] vai transmitir a doença do mesmo jeito”, analisa. “Isso transfere para a iniciativa privada o dever do poder público. Não temos autoridade e técnica para ficar fiscalizando quem tomou vacina. É arbritário e gera despesa extra”, finaliza.

Ao BG, Alcides revelou que ele e seus familiares foram infectados pelo novo coronavírus, mas todos estão bem.



One response to “Ex-secretário de turismo contesta decreto estadual que diminui público em eventos: “É tudo chute”

  1. Em parte no que fiz respeito só governador , é de uma tamanha imposição. Daqui uns dias pra sair de casa temos que apresentar ao fiscal da rua X , o comprovante de vacinação que nem vacina é.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *