Nazal aponta erros do governo Mário Alexandre em material sobre a formação do bairro Teotônio Vilela

 

“…vendo a divulgação equivocada (na minha opinião), ratifiquei que os dados oferecidos à SUCOM continham enganos históricos, que poderiam ser observados facilmente pelas datas, como por exemplo: a divulgação de atos atribuídos ao então prefeito Jabes Ribeiro, no ano de 1982. Ora, Jabes foi eleito em 15 de novembro de 1982, assumindo o governo em 1983. Como poderia ser responsável por decretos e leis de 1982 não sendo o prefeito?”

Tenhamos zelo pela nossa história!

Por José Nazal.

Uma das coisas que mais me impressionam, até hoje, é a falta de conhecimento da população no que concerne à história do chão em que vivemos: a história de nossa rua, de nosso bairro, de nossa cidade. Penso que isso se traduz no pouco sentimento de pertença que vemos em parte das pessoas.

A formação das Terras de São Jorge dos Ilhéus remonta aos primórdios da colonização do Brasil, faltando apenas doze anos para se completar 500 anos do que foi a “Capitania dos Ilhéos”. Em sua obra do Século XIX, “Historia da America Portugueza”, Sebastião da Rocha Pita anotou:

Em quinze graus escassos tem assento a província dos Ilhéus, assim chamada pelos que a natureza lhe pôs na foz do rio. A sua cabeça é a Vila de São Jorge: tem igreja matriz, duas capelas, uma de Nossa Senhora da Vitória, outra de São Sebastião, e um colégio dos religiosos da Companhia. Duas fortalezas a defendem, uma na barra, outra apartada dela, mas sobre um monte eminente ao mar.

O Plano de Desenvolvimento Local Integrado do Município de Ilhéus – PLAMI, finalizado em 1969, traz um completo levantamento da evolução urbana de Ilhéus, com mapas mostrando a ocupação nas primeiras sete décadas do Século XX. A partir daí, o crescimento foi vertiginoso, forçoso e desordenado.

Bairro Teotônio Vila: Foto: José Nazal.

No meio dessa semana, fui procurado pela Superintendência de Comunicação Municipal (SUCOM) com o pedido de concessão de uma fotografia do bairro Teotônio Vilela, com o propósito de ilustrar a matéria divulgação à comemoração dos 40 anos de formação do bairro. Respondendo afirmativamente que cederia, argumentei que seriam 43 anos e não os 40 informados. Sugeri que buscassem informações para não prejudicar a própria história do bairro e, pior, levar aos moradores uma informação equivocada.

No dia seguinte, vendo a divulgação equivocada (na minha opinião), ratifiquei que os dados oferecidos à SUCOM continham enganos históricos, que poderiam ser observados facilmente pelas datas, como por exemplo: a divulgação de atos atribuídos ao então prefeito Jabes Ribeiro, no ano de 1982. Ora, Jabes foi eleito em 15 de novembro de 1982, assumindo o governo em 1983. Como poderia ser responsável por decretos e leis de 1982 não sendo o prefeito? Nesse ano o prefeito de Ilhéus era Antônio Olímpio Rehen da Silva.

Infelizmente, nos tempos de hoje, há uma prática de se publicar sem aferir devidamente os fatos. Em uma simples consulta ao “Dr. Google” facilmente seria encontrado dois artigos acadêmicos que tratam da formação do bairro, respectivamente das professoras Gilselia Lemos Moreira e Elzita Ferreira Vidal.

A professora Gilselia Moreira (2005) anotou:

O PLAMI entre outras indicações destinava a expansão da malha urbana para a zona oeste da cidade e propunha a construção de um centro de equipamentos comunitários, um cemitério parque e a estação rodoviária. Em 1977 a prefeitura desapropriou uma área de 261.800 m², conhecida como São Francisco, para a instalação do Centro Administrativo – segundo o Diário Oficial de nº 3.328 de 14 de outubro. […]

Assim, em 30 de janeiro dos anos de1980, através de Decreto nº 017, publicado no Diário Oficial nº 3.434, desapropriou-se uma área com 100.000 m², – antiga fazenda Gomeira. Essa área foi então loteada e várias famílias carentes receberam cada uma um lote, juntamente com um cartão de posse. É exatamente a partir daí que se inicia o processo de ocupação e produção do bairro Teotônio Vilela. No entanto, os moradores do bairro apresentam outra versão dessa história.

E a professora Elzita Vidal (2009) anotou:

Os dados sobre o histórico do bairro, que serão apresentados a seguir, foram coletados através de entrevista com o Presidente da Associação de Moradores do Bairro Teotônio Vilela. A formação do bairro se deu no final dos anos de 1970, com a instalação de pessoas oriundas das fazendas de cacau, desempregadas pela crise nas lavouras de cacau. Estas pessoas ocuparam o loteamento conhecido na época como Gomeira, loteamento este formado na terra desapropriada pela Prefeitura Municipal de Ilhéus para a implantação de um Centro Administrativo, equipamentos comunitários e loteamento popular. […].

Em uma área do loteamento foi construído um cemitério chamado “Horto das Orquídeas”, destinado ao sepultamento de moradores de maior poder aquisitivo da cidade, porém em 1980 o cemitério foi desativado e em seu local foi construído um barracão de madeirite para abrigar a Escola Municipal. No início de 1980, o loteamento recebeu o nome de Teotônio Vilela, em homenagem a Teotônio Brandão Vilela, Deputado, Senador e Vice-Governador de Alagoas. O motivo da homenagem foi a verba federal alocada pelo então Senador, para a indenização da terra invadida, que deu origem ao Bairro Teotônio Vilela. O ano de 1980 marca a consolidação do bairro, com a construção do Posto de Saúde, a iluminação das principais ruas do bairro, e a criação da Associação de Moradores do Bairro Teotônio Vilela. Esta associação conquistou, junto ao Poder Público, o fornecimento de água para o bairro, a instalação de telefone público, melhorias para a Escola Municipal, ampliação do Posto de Saúde, da iluminação pública, instalação do módulo policial com viaturas e, com o crescimento do bairro, novas invasões aconteceram em seu entorno com as seguintes denominações: Vilela Norte, Barro Vermelho e Vilela Sul.

Face ao exposto, ouso sugerir à SUCOM, com o luxuoso apoio da Associação de Moradores do Teotônio Vilela e de moradores mais antigos, para que seja feita justiça à história do Bairro e da Cidade, sobretudo em respeito aos primeiros cidadãos ocupantes da localidade, aqueles mais penaram nessas primeiras décadas de sua formação urbana. Eu conheci a Gomeira desocupada e também visitei muito o sítio Tanguape, dos herdeiros de Líbia Vieira das Neves. Era um bucólico lugar!

Referências

Araripe, Guarani Valença (Coord.). Plano de Desenvolvimento Local Integrado do Município de Ilhéus. Salvador: SERFHAU/CIPLAN/BNH/PRO-URB, 1969.

Moreira, Gilselia Lemos. Ocupação de áreas irregulares e o processo de reprodução do espaço urbano. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, X., 2005, São Paulo. Anais […]. São Paulo, USP, 2005. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal10/Geografiasocioeconomica/Geografiaespacial/22.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

Pita, Sebastião da Rocha. Historia da America Portugueza. Bahia: Imprensa Econômica, 1878. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242473. Acesso em: 18 fev. 2022.

Vidal, Elzita Ferreira. Ocupação urbana em área de manguezal: estudo de caso do bairro Teotônio Vilela no município de Ilhéus – BA. 2009. Dissertação (Mestrado)—Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2009. Disponível em: http://www.ppgecea.uefs.br/arquivos/File/dissertacoes/2009/Elzita_Ferreira_Vidal.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

José Nazal é fotógrafo, memorialista e ex-vice-prefeito de Ilhéus.



One response to “Nazal aponta erros do governo Mário Alexandre em material sobre a formação do bairro Teotônio Vilela

  1. Não vai longe desses erros. Vejam o decreto 112/2021, que misturam condomínio com associação de moradores. Sendo que a lei de 2015 faz a distinção de um e de outro. Um absurdo e abusos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *